Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

"Quem é aquele rapaz?"

"Quem é aquele rapaz?"

Privacidade pública

20.02.21

E continuando na onda dos comentários públicos, dos quais falei no post anterior, há duas coisas que me fazem confusão.

Primeiro, as pessoas que fazem orações em comentários públicos: "ajuda a minha filha", "ajuda os meus negócios"... Respeito a forma de cada um expressar a sua fé (também tenho a minha), mas não percebo a necessidade de expôr aquilo que deveria ser íntimo.

Segundo, as pessoas que pedem informações e preços em sites de vendas. Também já pedi informações destas, mas faço-o por mensagem privada, até porque a maior parte destes comentários tem como resposta "enviámos MP". E foi assim que descobri que uma familiar minha ia ser avó: vi um comentário a pedir os preços de roupa de bebé.

Às vezes pergunto-me se as pessoas terão noção que se estão a expôr desnecessariamente.

Respeitinho é bonito

16.02.21

Ouvi muita vez a frase que usei como título: "Respeitinho é bonito".

Há alguns anos atrás, num fórum universitário, alguém fez um comentário mais desagradável sobre uma instituição. Sendo um fórum privado, apenas acessível aos estudantes daquela faculdade, abriu-se a discussão sobre se aquele comentário seria uma ofensa às pessoas que pertenciam a essa instituição. O autor defendeu que não, porque as pessoas visadas não tinham conhecimento dos comentários. Outros defendiam que era sempre uma ofensa, independentemente de haver ou não conhecimento dos visados.

Parece que os tempos evoluíram. Para pior. Hoje basta abrir um site noticioso ou um qualquer perfil do Facebook para ver comentários de utilizadores que são puras ofensas a outros comentadores ou mesmo aos visados nas notícias: "és um anormal", "és um pulha", "és um otário", "és um fdp"... Aqui nem se coloca a questão de ser do conhecimento dos ofendidos, porque o espaço é público.

Não compreendo porque perdem tempo estas pessoas com discussões que em nada contribuem para o que quer que seja, a não ser para gerar cliques e lucro aos donos dos sites. São espaços onde cada pessoa despeja o que de pior vai dentro de si, como quem vai à casa-de-banho e faz as suas necessidades fisiológicas. 

Também não gosto de andar a meter o nariz no esgoto, por isso fujo deste tipo de discussões.

Cansaços

07.02.21

Gosto muito dos meus filhos, mais do que qualquer outra coisa ou pessoa. A Rapariga vem logo depois, ok? Nada de ciúmes... 

Passei vários meses com eles em casa, enquanto estava em teletrabalho. De início por causa do encerramento das escolas, no fim por opção própria (quando já havia alternativas abertas). Agora a história repete-se: estiveram em interrupção letiva, mas esta semana recomeça a escola à distância, com atividades para ambos os filhos. A sala, que já era escritório, vai tornar-se escola em simultâneo, já que não temos outro espaço físico para o fazer.

Agora mesmo, sentado na cadeira que é o meu lugar às refeições e o meu local de trabalho, dei por mim a não me conseguir concentrar na escrita. Não percebi se era cansaço pelo lugar, se eram as vozes dos meus filhos que estavam a atormentar-me o cérebro (de momento nem sequer estava a discutir), ou se era simplesmente o facto de o dia estar cinzento e a sala não ter uma boa iluminação (a iluminação foi pensada para uma sala, não para um local de trabalho).

Agarrei no computador e fui para a mesa da cozinha. Deixei a sala e os meus filhos a brincar. Aqui estou a escrever este post como eu gosto: espontâneo, quase à mesma velocidade a que o cérebro pensa.

Pergunto-me se estou cansado da casa (em particular da sala) ou dos meus filhos. Gosto muito dos meus filhos, mais do que qualquer outra coisa ou pessoa, mas tenho medo de me cansar deles.